Busca

     

Resultado



MARTIN LUTHER KING JR. E NELSON MANDELA: A LUTA PELA LIBERDADE


Há 50 anos ocorria a tragédia que levou Martin Luther King Jr. à morte e há 100 anos nascia Nelson Mandela. Assim, o ano de 2018 é uma oportunidade especial para homenagear esses dois líderes da luta contra o racismo. As leis segregacionistas de Jim Crow no Sul dos Estados Unidos deixaram de vigorar há mais de meio século, e o apartheid, regime de segregação adotado na África do Sul, acabou oficialmente há quase 25 anos. Mas todo o tempo transcorrido desde então não foi suficiente para apagar as reminiscências sociais dessas políticas.

O curso abordará não só as conquistas políticas dessas duas personalidades, como também suas histórias de vida, o contexto no qual viveram e como seu legado pode ser útil até hoje para se pensar a opressão de forma ampla. Os historiadores Ynaê Lopes dos Santos e Amilcar Pereira serão os guias nessa viagem através de sonhos, força, resistência, derrotas e vitórias.



OS ROMANOV, ASCENSÃO E QUEDA DE UMA DINASTIA


Há cem anos, em julho de 1918, os Romanov eram executados na Rússia soviética. Era o fim da saga de uma família que soube transformar um território atrasado, isolado e desintegrado em um império fabuloso de projeção global. Nesse curso serão apresentadas as características do poder, os crimes, a violência, o esplendor e a decadência dessa dinastia responsável pela grandeza russa por mais de três séculos de história.



ISRAEL E PALESTINA: NARRATIVAS PARALELAS


O jornalista norte-americano Thomas Friedman não raro diz que o conflito israelo-palestino está para os grandes conflitos assim como a Off-Broadway está para a Broadway. Muitas das coisas que ali começam depois se consagram em outras localidades. Trata-se de uma espécie de laboratório de tendências a serem refinadas antes de se tornarem globais. Nesse curso, abordaremos os principais aspectos do conflito que este ano chega ao seu 70º aniversário, a partir de uma perspectiva histórica e com enfoque nos dois lados da narrativa, o israelense e o palestino.

Os encontros serão baseados em ampla bibliografia acadêmica referendada, mas também em vasta produção literária, fílmica e mesmo musical.



TEMPOS DE COMPLEXIDADE CRESCENTE – FILOSOFIA, CIÊNCIA E ARTE


Os últimos 100 anos foram marcados por um desenvolvimento cada vez mais acelerado do saber sobre a natureza, a ciência e o agir sobre a natureza, com o desenvolvimento da tecnologia. Avanços como os ocorridos na Microfísica indeterminista, nas Matemáticas deslineares e na Cosmologia relativista, bem como nas Bio-, Nano- e Nootécnicas, deslocaram os pressupostos clássicos que informavam a cosmovisão moderna.

Diversas noções tradicionais acerca do mundo natural e de nossa posição de sujeito do conhecimento têm sofrido fortes transformações. Não à toa hoje entendemos de modo radicalmente novo tanto os sistemas naturais, seus processos e ritmos, quanto a abrangência e a profundidade alcançadas pela atividade humana, tomada em seu conjunto.

Assim, as novas perspectivas sobre a organização complexa das matérias e a possibilidade de invenção de novas formas nos convidam a reformular o antigo entendimento sobre a posição e as relações entre as potências do Espírito – a Filosofia, a Ciência e a Arte.



O MUNDO QUÂNTICO: MÁGICA SEM MÁGICA


A física quântica mudou o entendimento da realidade de tal maneira que certa vez o cientista dinamarquês Niels Bohr (1885-1962) afirmou que só não se escandaliza com ela quem não a entende. De fato, as descobertas envolvendo o mundo das partículas subatômicas revolucionaram a ciência no século passado e continuam a abrir perspectivas para a interpretação do universo.

 

Neste curso, o físico Marco Moriconi guiará os participantes ao longo das principais descobertas da física, desde sua concepção clássica até a revolução quântica.



REVOLUÇÃO NAS AMÉRICAS: AMERICANA, HAITIANA, VENEZUELANA E CUBANA


A Revolução Americana pautou valores políticos que seguem vivos em nosso tempo. A Haitiana quebrou paradigmas com o maior levante de escravos do Ocidente. A Venezuelana foi a primeira a romper com o domínio espanhol e a grande inspiradora de diversas insurreições na América Latina. A Cubana resgatou o espírito anticolonialista e deu início à experiência socialista mais significativa do continente. Esses processos históricos deixaram, cada um à sua maneira, marcas na política, na cultura, na arte e na resistência em diferentes partes do mundo.

Neste curso, reunimos destacados professores para abordar alguns dos principais movimentos revolucionários das Américas, seu contexto histórico e suas implicações até os dias atuais.



JESUS HISTÓRICO


O que a ciência tem a dizer sobre a principal figura do Cristianismo? Este curso pretende aprofundar essa questão, especialmente a partir de alguns avanços que a pesquisa acadêmica tem obtido sobre a existência e a trajetória de Jesus de Nazaré. É bem verdade que, embora a ciência ainda não consiga “vê-lo”, os atuais estudos são de tal ordem que já é possível desvelar a “sua sombra” na primeira metade do século I.



UMA HISTÓRIA DO IRÃ


O curso propõe uma reflexão sobre a constituição do Irã contemporâneo. Para tanto, serão analisadas as reformas modernizadoras iniciadas pela monarquia Qajar, no século XIX, passando pelo projeto autoritário da dinastia Pahlevi, no século XX, até as transformações culturais e sociais sob a República Islâmica (séculos XX e XXI). Propõe ainda abordar a sociedade iraniana em sua complexidade, iluminando os fatos da política a partir dos processos culturais que os moldaram em seu contexto histórico.



EXTERMÍNIO NAZISTA: A MÁQUINA DO TERROR


Tratar das políticas de exclusão e de extermínio nazistas é lidar com uma das mais violentas rupturas com a imagem que o mundo ocidental, pensado como moderno e civilizado, tinha de si próprio. Isso porque não era concebível que no coração da Europa pudesse existir uma indústria racionalmente organizada para matar pessoas. Essa indústria resultou de uma utopia racista e excludente centrada em um programa de construção de uma sociedade homogênea. O nazismo levou ao extremo a ideia de que a diferença não era nem desejável e nem tolerável por meio do projeto de eliminar fisicamente grupos humanos.

 

O propósito deste curso é oferecer um tratamento panorâmico dessa política e refletir sobre as condições que a tornaram socialmente possível.