Busca

     

Resultado



60 ANOS ZAHAR NA CASA
BAUMAN, O PENSADOR DA MODERNIDADE LÍQUIDA


Na hierarquia herdada dos valores reconhecidos, a ‘síndrome consumista’ destronou a duração, promoveu a transitoriedade e colocou o valor da novidade acima do valor da permanência.” (Bauman, Vida líquida)

Ao dedicar a vida a denunciar o individualismo e a desigualdade de uma sociedade complexa e fragmentada, o sociólogo e filósofo polonês Zygmunt Bauman, morto em janeiro deste ano, deixa um legado imensurável. Resistente ao termo “pós-modernidade”, ele trouxe à tona a perspectiva de um pensamento crítico – cunhado por ele de “modernidade líquida” –, que desvela a liquidez das relações familiares e amorosas e do próprio Estado-Nação, onde impera o descomprometimento com uma lógica comunitária e colaborativa.

Neste encontro, a CASA DO SABER RIO e a ZAHAR, editora do autor no Brasil, recebem a socióloga Cíntia Sanmartin Fernandes para uma homenagem à vida e à obra de um dos principais pensadores do século XX. A aula inaugura o ciclo 60 ANOS ZAHAR NA CASA, no qual a editora comemora os 60 anos de sua história com seis encontros sobre e com autores de seu catálogo.

*Os inscritos receberão de presente exemplares de livros dos autores e temas abordados ao longo do ciclo.

PARCERIA:

    ​        



EDUX PARA EDUCADORES
Ovelha negra da família: como a literatura infantil pode ajudar a olhar para a diferença?


“Ovelha negra” é um termo utilizado para classificar alguém como diferente, fora dos padrões habituais. Quando a criança chega à família, há uma série de expectativas: ela pode seguir o perfil dos pais ou ser totalmente diferente. Em muitos casos, quando existe um desencontro de expectativas, surge a frustração. Às vezes não há exclusão física, mas emocional. A convivência então é um desafio que muitas famílias topam enfrentar, a fim de superar as arestas.

Discutir família nunca é um tema simples. Nesse encontro, vamos conversar sobre as sutilezas das questões familiares, como a literatura infantil aborda o tema e que reflexões podemos construir com ela e a partir dela. A literatura infantil pode nos ajudar a perceber essa criança de outra maneira? A olhar para a família por outra perspectiva?



BAUMAN, O PENSADOR DA MODERNIDADE LÍQUIDA


Na hierarquia herdada dos valores reconhecidos, a ‘síndrome consumista’ destronou a duração, promoveu a transitoriedade e colocou o valor da novidade acima do valor da permanência.” (Bauman, Vida líquida)

Ao dedicar a vida a denunciar o individualismo e a desigualdade de uma sociedade complexa e fragmentada, o sociólogo e filósofo polonês Zygmunt Bauman, morto em janeiro deste ano, deixa um legado imensurável. Resistente ao termo “pós-modernidade”, ele trouxe à tona a perspectiva de um pensamento crítico – cunhado por ele de “modernidade líquida” –, que desvela a liquidez das relações familiares e amorosas e do próprio Estado-Nação, onde impera o descomprometimento com uma lógica comunitária e colaborativa.

A CASA DO SABER RIO recebe a socióloga Cíntia Sanmartin para uma homenagem à vida e à obra de um dos principais pensadores do século XX.



UMA NOVA VELHICE


Nos últimos anos, o mundo tem presenciado um aumento crescente do número de idosos. O debate sobre como proteger esse segmento populacional por meio de políticas públicas ou de estratégias propostas pelas novas constituições familiares se tornaram prioridade neste início de século. Seminários e centros de discussão e de pesquisa sobre a longevidade vêm sendo criados em diversos países e uma legislação visando assistir os mais velhos começou a ser formulada no Brasil, de forma atuante.

Em quatro encontros, serão apresentados e discutidos diversos aspectos relacionados ao tema, que apaixona indivíduos de várias gerações e preocupa os governos de todo o mundo



AS VIDAS DE MOACYR SCLIAR


Moacyr Scliar não foi apenas um, foi muitos. Foi médico. E foi também ensaísta, cronista, romancista, contista. Sua versátil e numerosa obra, elaborada em 50 anos de carreira, bebeu das mais variadas fontes de inspiração: da longínqua Bessarábia ao familiar bairro de Bom Fim, em Porto Alegre. De Franz Kafka a Monteiro Lobato. Das raízes judaicas e gaúchas à universalidade das fábulas e do realismo fantástico.

Em homenagem a esse dedicado contador de histórias, cinco anos após sua morte, a CASA DO SABER RIO O GLOBO recebe os escritores Luis Fernando Veríssimo e Domício Proença Filho para uma conversa não apenas sobre a vasta contribuição literária de Scliar, mas também sobre o simples e bem-humorado homem por trás da obra. A moderação do bate-papo ficará a cargo do jornalista e também escritor Zuenir Ventura.



POLIAMOR - PARA ENTENDER OS NOVOS CONCEITOS DE FAMÍLIA


No final de 2015, o direito de família recebeu uma provocação jurídica: a formalização de uma união estável entre três mulheres, escritura pública lavrada pelo 15º Ofício de Notas do Rio de Janeiro. Há quem tenha visto nessa decisão um ato de coragem; outros, uma rebeldia contra a monogamia. As mudanças no conceito de família ao longo dos tempos provocaram igual repercussão; com apoiadores e detratores imbuídos de argumentos igualmente apaixonados a cada novo fato. O poliamor já foi retratado pelo cinema e pela televisão e, para além do mundo da ficção, é uma realidade que faz parte cada vez mais da vida de mais pessoas. A CASA DO SABER RIO O GLOBO reúne para oportuníssimo debate a tabeliã responsável pelo primeiro registro de união poliafetiva do Brasil, Fernanda de Freitas Leitão, o cineasta e diretor da série Amores livres do canal GNT, João Jardim, e o advogado e professor titular de Direito Civil da Uerj, Gustavo Tepedino, para debater o tema.



A HISTÓRIA E OS VINHOS DA FAMÍLIA ROTHSCHILD


Nos últimos 250 anos, poucas famílias da Europa têm uma trajetória tão interessante e atribulada quanto os Rothschild, que se tornaram uma das mais importantes dinastias bancárias do continente. Sua fortuna começou a ser criada no século XVIII, com Mayer Amschel Rothschild, que construiu uma casa de finanças na Alemanha e enviou os cinco filhos para os principais centros financeiros de então. Eles prosperaram e no século XIX seus descendentes chegaram a possuir a maior fortuna privada do mundo. A relação da família com o vinho teve início em 1853, quando Nathan Mayer Rothschild, fundador do ramo inglês do clã, tornou-se proprietário do Château Mouton, hoje conhecido como Mouton Rothschild.

Em 1868, James, o irmão caçula e fundador do ramo francês, comprou em leilão o Château Lafite, hoje Lafite Rothschild. Posteriormente, foram sendo adquiridos outros rótulos prestigiosos, como o Rieussec, em Sauternes, e L’Evangile, em Pomerol, ambos na França. E a família expandiu seus interesses para o Novo Mundo, com vinhedos nos EUA, na Argentina e no Chile. Um de seus membros, o barão Philippe de Nicolay Rothschild estará na CASA DO SABER RIO O GLOBO para conversar sobre a história de seus familiares e sua relação com o vinho.



REFLEXÕES SOBRE A NOVA FAMÍLIA


A juíza e escritora Andréa Pachá vem à CASA DO SABER RIO O GLOBO para propor uma reflexão sobre a nova família. Como ficam as relações familiares à luz das mudanças pelas quais a sociedade atravessa? Qual o papel do casamento? E quais os papéis de cada parceiro? Guarda compartilhada e alienação parental: como lidamos com os filhos depois da separação? Que lugar reservamos aos idosos no cotidiano? Esses serão alguns dos temas discutidos nessa série de três encontros com a autora dos best-sellers A vida não é justa e Segredo de Justiça.



THOMAS TROISGROS - REFLEXÕES E PRÁTICA


Thomas Troisgros é o representante da quarta geração de uma família de chefs que vem revolucionando a história da gastronomia. O bisavô Jean-Baptiste quebrou tabus nos anos 30 em seu La Maison Troisgros, em Roanne, na França, ao propor harmonizações inusitadas, como peixe com vinho tinto. O avô Pierre e o tio-avô Jean foram dois dos criadores da nouvelle cuisine, que enfatizou pratos leves, delicados e bem apresentados. Também foram eles os responsáveis por conquistar as três estrelas no Guia Michelin, o máximo possível, para o restaurante da família. A colocação é mantida até hoje, agora por seu tio Michel. O pai, Claude, aportou no Brasil no fim dos anos 70 e, desde então, vem mesclando melhor do que ninguém os ingredientes tropicais com a imbatível técnica de seu país de origem.

O restaurante carioca Olympe, que ostenta uma estrela Michelin, foi um dos primeiros a valorizar produtos brasileiros até então pouco explorados pela alta gastronomia – caso da batata baroa, do açaí, do maracujá. Desde 2013, o comando da cozinha vem sendo passado das mãos do pai para as do filho. Thomas, que também comanda os outros restaurantes da família no Rio de Janeiro, carrega o peso de uma longa tradição e busca, em suas novas criações, imprimir sua identidade.

Os alunos da CASA DO SABER RIO O GLOBO terão o prazer de ver de perto o talento de Thomas Troisgros. Serão dois encontros especiais: no primeiro, aqui na CASA, ele falará sobre sua formação, sua trajetória (e de sua família), detalhando sua compreensão da gastronomia, e sobre como vem dando continuidade ao trabalho iniciado por seu pai no Brasil de valorizar produtos da terra. No segundo, a turma será convidada especial de um almoço no restaurante Olympe, para, na prática, conferir a combinação entre tradição e novidade trazida pelas mãos desse talentoso chef.