Busca

     

Resultado



ADAPTAÇÕES E APROPRIAÇÕES DOS ROMANCES DE JANE AUSTEN PARA A TV E PARA O CINEMA


A escritora Jane Austen (1775-1817) tem mais popularidade hoje do que jamais sonhou ter em vida. Uma das provas disso são as inúmeras adaptações e apropriações de sua obra que continuam a ser criadas no mundo todo, inclusive no Brasil. Nesses dois encontros, discutiremos as diversas versões para cinema e televisão dos romances de Jane Austen e também outros trabalhos que reimaginam a obra e a vida da autora para diferentes meios de comunicação. Abordaremos também o culto mundial a Jane Austen, também chamado de Austenmania, que fez desabrochar um mercado de produtos com a “marca Jane Austen” para os fãs apaixonados da autora.



CINECLUBE


O cineclube da CASA DO SABER RIO oferece aos interessados a oportunidade de assistirem a filmes clássicos e contemporâneos seguidos por debates conduzidos pelo curador e crítico de cinema Filippo Pitanga.

Nessa primeira edição, teremos como tema Os mestres dos mestres: como o cinema nos ensinou a sonhar. Apresentaremos três cineastas basilares e como se dá a influência entre eles, a comunicação de suas linguagens e o uso da fantasia e da magia do cinema como interpretações que vão da psicanálise à filosofia.



CINEMA - LEITURA - EDUCAÇÃO: NOVOS OLHARES, OUTRAS LEITURAS


Como a sétima arte pode contribuir para um novo olhar sobre a formação leitora e como agregar estas leituras à complexidade da educação hoje?



LAB PARA CRIANÇAS | MONSTRUÁRIO: LABORATÓRIO DE MONSTROS!


Vamos construir com as crianças um catálogo de monstros. Faremos a articulação de seres mitológicos a cinema, animações, literatura a partir de muita criatividade.



A HISTÓRIA DO CINEMA ATRAVÉS DO OSCAR


Saber um pouco mais sobre a história do cinema significa acompanhar a cultura e as formas de expressão absorvidas de todas as outras artes e dos movimentos sócio-políticos de cada época, assim como enxergar, através de uma lente do glamour e do prestígio, não apenas o que a maior premiação de todos os tempos escolheu laurear em seus quase 100 anos do cinema, mas também os grandes clássicos que foram esnobados – e quais foram as razões para tanto.

Nesse curso, dividido em quatro encontros, será apresentada a história do cinema por meio das edições da premiação mais importante do segmento, destacando momentos de glória e também aqueles que não são tão memoráveis assim, traçando um panorama ilustrado desta que é considerada a sétima arte da humanidade.



ELIZABETH II, UM LONGO REINADO


Ao nos referirmos à rainha neste início do século XXI, não há dúvidas de que se trata de Elizabeth II do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, também rainha do Canadá, Austrália, Nova Zelândia e mais tantos outros países que um dia integraram o império colonial britânico.

Há hoje no mundo outras soberanas, mas, com toda certeza, é ela a maior representante do sistema monárquico. Decana dos soberanos europeus, nos seus extraordinários 65 anos no trono viu o mundo se transformar. Poucos chefes de Estado tiveram a chance de ter a seu lado, num mesmo reinado, o ex-primeiro-ministro britânico Winston Churchill (1940-1945 e 1951-1955) e o ex-presidente americano Barack Obama (2009-2017).

Símbolo da decadência do império britânico ou da reinvenção de uma história milenar, quem é essa mulher e o que é exatamente esse sistema que ela chefia e que se mantém vivo, apesar das tormentas do passado e das críticas do presente? Figura anacrônica ou eficiente funcionária a serviço de seu país?

Partindo da história da monarquia britânica e de suas instituições e rituais, esse curso pretende traçar o perfil de Elizabeth II como soberana, bem como aproximar-se de seu outro lado, o mortal, o que possui uma vida privada. Ao final, serão apresentadas as diversas faces da monarca, transformadas em personagem no cinema, no teatro e na televisão, um fato único em toda a história da monarquia.



GUERRA DOS SEIS DIAS, 50 ANOS DEPOIS


O curso busca analisar as relações e os conflitos que opuseram árabes e israelenses na Guerra dos Seis Dias (1967), que mudou o Oriente Médio e reconfigurou a chamada Questão Palestina. A proposta é observar o conflito não apenas pelo viés dos campos de batalha ou dos enfrentamentos sangrentos, mas também pela produção cultural dos dois povos. A poesia, a música, a literatura, o cinema e as artes visuais são algumas das “armas” usadas nos dois lados dessa disputa simbólica.



DO LIVRO AO FILME: O PROCESSO DE ADAPTAÇÃO LITERÁRIA PARA A TELA GRANDE


Desde a invenção do cinema, a literatura vem fornecendo um sem-número de histórias para a elaboração de filmes. Mas a transposição das páginas de um livro para os frames da tela grande envolve etapas complexas que muitas vezes permanecem desconhecidas do público, atento em geral apenas ao resultado final. Não é isso, porém, o que ocorrerá com A fera na selva, uma adaptação feita por Eliane Giardini e Paulo Betti a partir de obra homônima do americano Henry James. Quando a produção estrear, ainda este ano, os espectadores já terão tido a oportunidade de ler tanto o livro quanto o roteiro adaptado – ambos disponibilizados na internet pelos próprios atores/diretores.

Em uma noite especial, a CASA DO SABER RIO recebe a dupla para uma conversa sobre o processo de adaptação literária e sobre sua decisão de inovar na relação com o público de cinema.



MITOLOGIA E CINEMA


A proposta do curso é trabalhar com alguns desdobramentos da mitologia grega no cinema de arte moderno. Pensar o modo como cineastas inventivos recriaram, à luz de questões candentes de seus momentos históricos, o rico imaginário mítico legado ao Ocidente pela Antiguidade arcaica. Material fabular que foi retrabalhado também pelos tragediógrafos da Grécia clássica e que, através dos séculos, vem sendo uma fonte inesgotável de iluminação para psicanalistas, artistas, filósofos.