Busca

     

Resultado



Curdos, um povo sem Estado


Em 1916, a França e o Reino Unido selavam secretamente um compromisso para definir suas zonas de influência no Oriente Médio após uma eventual derrota do Império Otomano na Primeira Guerra Mundial (1914 – 1918). Cem anos após o Acordo de Sykes-Picot, muito se discutiu sobre seu legado e sua contribuição para os conflitos deflagrados na região.

Esse curso pretende desenvolver, em três aulas, uma análise profunda sobre um desses pontos de tensão. Refere-se a um grupo étnico que, apesar de ser o quarto maior do Oriente Médio, não contou com um Estado próprio no pós-Primeira Guerra: os curdos. Divididos basicamente em quatro países – Turquia, Síria, Iraque e Irã – foram alvo de amplas campanhas de nacionalização e desenvolveram várias formas de reação a estas, chegando mesmo a recorrer à luta armada.

Trata-se de um grupo étnico que demanda poder e reconhecimento e, que, sobretudo, frente seu papel em relação aos avanços do Estado Islâmico, parecem finalmente ganhar a atenção que merecem e, quem sabe, seu próprio Estado.

*Este curso será realizado na sala de conferências do Marina All Suites Hotel.



A LITERATURA NO BARRIL DE PÓLVORA


A literatura é capaz de reconstituir o surgimento político da Arábia, mostrar o processo de formação da Turquia moderna, narrar a construção de Israel, a história pujante do Irã, os tropeços da Síria e do Líbano e ainda descobrir a poesia e o horror que sobrevivem à guerra no Afeganistão. Por meio de uma série de autores e obras, um clássico, um Prêmio Nobel e vários candidatos, tentaremos compreender historicamente alguns dos maiores conflitos da contemporaneidade: os embates entre judeus e muçulmanos, entre sunitas e xiitas, turcos e curdos. Viajaremos por uma região que se revela o calcanhar de aquiles de um mundo que está longe de exibir a fortaleza do herói grego — muito ao contrário, às vezes ameaça sucumbir prematuramente, como ele.



A TURQUIA EM QUESTÃO


No dia 24 de novembro, a Turquia derrubou um avião militar russo que teria invadido seu espaço aéreo perto da fronteira com a Síria, evento com potencial de agravar ainda mais a crise em uma região já tomada por conflitos e questões sensíveis. Mesmo antes do episódio, os olhos do mundo já se voltavam à Turquia por causa do seu importante papel geopolítico: seja na questão dos refugiados, seja no conflito sírio, uma vez que sua fronteira vem se mostrando essencial para a entrada de recrutas do Estado Islâmico. O ano de 2015 também foi marcante para o país por suas eleições parlamentares, fundamentais para o desenho de um novo projeto político de poder - que em questões de gênero, liberdade de imprensa e, sobretudo, na participação dos curdos, provoca acalorado debate. O intuito dessa aula aberta é apresentar um breve panorama político atual da Turquia e refletir sobre o impacto atual da guerra da Síria no país.