Busca

     

Resultado



O som da MPB


Curso iniciado em 22 de outubro.

Ex-baterista dos Titãs, Charles Gavin se reinventou como pesquisador musical – garimpando arquivos das gravadoras e relançando álbuns esquecidos – e como diretor e apresentador de TV no Som do vinil, exibido no Canal Brasil, onde ele entrevista músicos da MPB contando os bastidores de álbuns clássicos. Em 150 programas desde 2008, Gavin já conversou com quase toda a nata da música brasileira explorando sua diversidade: de Paulinho da Viola e Luiz Melodia a Sidney Magal e Odair José; de Caetano Veloso e Gilberto Gil a Leny Andrade e Dóris Monteiro; de Milionário e José Rico a Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti; de Adriana Calcanhotto e Marisa Monte a Lenine e Arnaldo Antunes. Nesse ciclo especial, informal e informativo (com apoio em áudio e vídeo), o artista vai trazer alguns desses músicos para compartilhar curiosidades e histórias divertidas com o público na CASA DO SABER RIO O GLOBO.

Para compra de aulas avulsas, entre em contato através do telefone 2227-2237


CHARLES GAVIN. Músico, produtor, pesquisador e apresentador. Foi baterista dos Titãs entre 1985 e 2010. Produtor de discos, entre os quais Samba esquema noise, do Mundo Livre S/A. Como pesquisador musical ajudou as gravadoras no relançamento de mais de 400 títulos. Idealizou e produziu os livros Bossa nova e outras bossas: a arte e o design das capas dos LPs e 300 discos importantes da música brasileira.



História da arte: últimos momentos das vanguardas do século XX


Ilustrado por imagens, esse curso pretende apresentar um quadro dos últimos movimentos artísticos das vanguardas europeias no início do século XX. Serão discutidas questões relacionadas ao Surrealismo, ao Futurismo, ao Neoplasticismo e às Vanguardas Russas, seguidas de um olhar voltado para o design da Bauhaus e do movimento Art Déco.



Feira moderna 6: tecnologias 3D


Desde que a tecnologia digital 3D surgiu, um incrível leque de possibilidades de sua aplicação em diversos campos do conhecimento foi aberto. Nesse encontro, vamos conhecer alguns dos projetos mais significativos desenvolvidos no Brasil, fruto do trabalho de profissionais de áreas tão distintas como design, medicina, paleontologia, radiologia e arqueologia, entre outras. Faremos uma viagem no tempo e no espaço, visitando “virtualmente” a era dos dinossauros, as aldeias pré-históricas, as tumbas de faraós e outros locais e períodos fascinantes da história mundial. Um conteúdo que resulta de pesquisas conduzidas em três laboratórios do Rio de Janeiro, com o uso intensivo das tecnologias tridimensionais, e em parceria com pesquisadores de diversas instituições espalhadas pelo Brasil e pelo mundo.



Arte na Escandinávia


Apesar de um pouco afastados dos demais países europeus, a Escandinávia e a Finlândia oferecem um maravilhoso panorama artístico em diversos campos - especialmente na área do design. Em três aulas fartamente ilustradas por imagens, faremos uma viagem virtual às terras nórdicas, passando por bairros, museus e palácios da Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia.



Kandinsky, mestre do abstrato


Precursor do abstracionismo, Wassily Kandinsky consolidou-se como um dos principais teóricos de arte e produtores culturais do século XX. Além disso, foi um dos primeiros professores da Bauhaus, escola de design que quebrou as barreiras entre o artístico e o prático. Neste curso, em duas aulas, será abordada a trajetória artística de Kandinsky. As reflexões em Do espiritual na arte. O grupo Der Blaue Reiter. Suas primeiras experiências com a abstração. Ponto e linha sobre o plano. O ensino na Bauhaus e seu período em Paris. A terceira aula, realizada em parceria com o Centro Cultural Banco do Brasil, será uma visita guiada exclusiva, às 18h, à exposição "Kandinsky, tudo começa num ponto", em cartaz no CCBB - a primeira mostra do artista na América Latina. Com 72 obras e curadoria de Evgenia Petrova e Joseph Kiblitsky, a exposição provoca o público a conhecer a vida do pintor e mergulhar nas raízes de seus pensamentos por meio de uma imersão sensorial interativa.



Para entender mais e melhor a política brasileira


Será que ainda podemos usar o termo coronelismo para designar a política centrada no poder exercido por chefias locais/regionais? As relações clientelistas entre os parlamentares e suas bases eleitorais caracterizam apenas as sociedades atrasadas? São populistas os políticos que enganam o eleitorado com promessas nunca cumpridas, o que comprovaria que o “povo brasileiro não sabe votar”? A organização corporativista da sociedade brasileira corresponde à fragilidade do espírito cívico de seu povo?

O objetivo principal desse curso é examinar as relações que se estabeleceram entre Estado e sociedade no Brasil contemporâneo. Busca-se, dessa forma, entender a estrutura e o funcionamento do sistema de representação política, bem como a dinâmica das relações de poder entre os diferentes atores políticos, seus comportamentos e estratégias de ação.        



Design de experiência


Um mapa para a viagem entre átomos e pixels que nasce em aplicativos, sites e outros territórios misteriosos. Vamos desvendar as fronteiras entre as diferentes telas, explorar os processos e conceitos do universo digital e descobrir os caminhos para a conexão emocional com os usuários. Assim, o curso se propõe a estabelecer uma ponte entre as teorias das mídias interativas e os exemplos práticos de startups e produtos digitais capazes de economizar ou matar o tempo de quem os utiliza.



"Desvelando" o céu noturno


A palavra “desvelar” pode ser empregada com o sentido de retirar véus, esclarecer, mas também para designar o ato de passar as noites em claro. Contemplar as estrelas é, de certa forma, despir o céu de suas várias “camadas”, reconhecendo constelações, planetas, objetos celestes. O curso se propõe a identificar essa variedade de corpos que compõem o céu nas diferentes estações do ano. Além disso, apresentaremos algumas das versões sobre mitos clássicos gregos e romanos que nomeiam constelações, e, caso as condições meteorológicas permitam, faremos uma saída externa na Lagoa Rodrigo de Freitas para observação astronômica.



"Clarice Lispector e eu. O mundo não é chato"


Um mergulho no processo criativo de uma peça, do ensaio ao momento da apresentação no teatro. Essa é a proposta desses dois encontros: em um primeiro momento, observar (e, por que não, também opinar sobre) o ofício do ator e sua interação com o diretor, em um ensaio aberto ao público na reta final de uma estreia. Depois, assistir, no teatro, à peça ganhando vida, com todos seus elementos cênicos. A atriz Rita Elmôr e o diretor Rubens Camelo ensaiam, aqui na CASA DO SABER RIO O GLOBO, a peça "Clarice Lispector e eu. O mundo não é chato". Depois, a turma é convidada especial na semana da estreia, no Teatro Poeirinha.

"Clarice Lispector e eu. O mundo não é chato" é uma peça com textos de Clarice Lispector adaptados por Rita Elmôr. A atriz estreou sua carreira com uma peça sobre a escritora em 1998. De lá para cá, as fotos dessa encenação foram confundidas com as fotografias da própria Clarice. A peça é uma metáfora do que aconteceu com a imagem das duas: Clarice e Rita são constantemente confundidas nas redes sociais e em veículos de comunicação.

No espetáculo, as duas se misturam contando as suas histórias - muitas vezes a história de uma serve à história da outra. A timidez, solidão e o “desencaixe” da nossa anti-heroína fazem parte do tema central da peça, que alinhava 36 recortes da obra de Clarice a textos de Rita. Todos eles afirmam a vida e nos ajudam a pensar em maneiras mais inteligentes, criativas e harmônicas de se viver. O olhar político de Clarice, que está muito afinado com acontecimentos sociais contemporâneos, também aparece com muita força.

TEXTO: CLARICE LISPECTOR
ADAPTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO: RITA ELMÔR
DIREÇÃO: RUBENS CAMELO
CENÁRIO E LUZ: PAULO DENIZOT
FIGURINO: MEL AKERMAN
TRILHA SONORA: RITA ELMÔR
DESIGN GRÁFICO: VICTOR CORRÊA
ASSISTENTE DE DIREÇÃO: RADHA BARCELOS
ASSESSORIA JURÍDICA: MURILO RABAT
DIREÇÃO DE PRODUÇÃO: CHRISTIANO NASCIMENTO E RITA ELMÔR
PRODUÇÃO: ART HUNTER PRODUÇÕES
REALIZAÇÃO: OVO PRODUÇÕES ARTÍSTICAS



Onipotentes, deprimidos e excitados


Em O mal-estar na cultura, de 1929, Freud usa a expressão “supereu da cultura” para designar a íntima relação que cada um de nós mantém com o momento histórico em que vive. Partindo dessa ideia, o curso analisará as modificações na subjetividade ocorridas desde os tempos do criador da psicanálise até nossos dias.

Ao longo de quatro encontros, serão examinados os efeitos no aparelho psíquico de cada indivíduo da passagem de uma sociedade industrial e da poupança para uma sociedade “pós-industrial” e do crédito.



#GNTNACASA
Decora


Reformar não é só mudar um ambiente. É também imprimir personalidade e facilitar a vida de quem vive nele. Essas são as ideias propostas pelo programa Decora, do canal GNT. O arquiteto Maurício Arruda, que comanda a atração, desenvolve projetos criativos e repagina um espaço escolhido por um telespectador, transformando sonho em realidade em poucos dias.

Em parceria com o canal GNT, a CASA DO SABER RIO recebe Maurício Arruda para uma conversa sobre como a arquitetura é capaz de identificar problemas e criar soluções inovadoras, construindo narrativas sobre ambientes. Aliada ao design, pode impactar profundamente a vida de quem vive ou trabalha nos espaços modificados.

  ​      



Design thinking: um método inovador de resolver problemas


Em 2003 surgiu o nome, em 2005, o primeiro curso internacional e, em 2010, a disciplina chegou à academia brasileira. Mas, antes de 2003, a metodologia já vinha sendo desenvolvida e praticada no mundo inteiro por empresas de design estratégico. Agora, ela está com uma forma mais disciplinada e amigável. No exterior, principalmente no Hemisfério Norte, ela explodiu exponencialmente. O design thinking, abordagem inovadora para resolver problemas complexos, vem sendo ensinado nas faculdades de Administração e absorvido por multinacionais, conglomerados de consultoria e bancos.

No Brasil, cada vez mais, os cursos se multiplicam, mas aqui a metodologia ainda é pouco aplicada ao ambiente real dos negócios. Nós, brasileiros, gostamos de nos sentir criativos e atualizados, no entanto estamos demorando a abraçá-la mais intensamente.

Nesse encontro, os participantes serão apresentados aos seguintes tópicos: o que é design e para que serve? Como surgiu o design thinking? O primeiro curso na área acadêmica, apoiado pelas grandes empresas. A progressão exponencial da disciplina. Quais organizações estão usando a metodologia. Casos nacionais e internacionais. Como aprender e aplicar no seu dia a dia.

*O ciclo ocorre das 13h às 14h30, e os inscritos recebem um lunch box antes de cada encontro.