Busca

     

Resultado



Feira moderna: a tecnologia na indústria criativa


COORDENAÇÃO E MODERAÇÃO: BETO LARGMAN Com um faturamento girando em torno de R$ 120 bilhões, o Brasil já é o quinto maior mercado global de economia criativa. Esse é o tema da quarta edição do Feira Moderna, encontro derivado do blog de mesmo nome que Roberto Largman mantém no Globo Online desde 2005 – o primeiro num grande portal a tratar do assunto tecnologia de maneira descontraída e que conseguiu atrair um público formado tanto por aficionados quanto por uma audiência que não considerava o tema acessível. Profissionais ligados ao fomento e à startups do segmento que usam intensamente a tecnologia como ferramenta estarão presentes para discutir os desafios da indústria criativa no Brasil e no Rio de Janeiro e a utilização da tecnologia nas empresas do setor.



Como a economia pode influenciar a eleição


O debate econômico nas eleições de 2014 para presidente da República será marcado pela comparação do desempenho dos governos FHC e Lula/Dilma ou focará sua atenção nas questões atuais que influenciarão os destinos do país nos próximos anos? A política econômica do atual governo deve, ou não, ser modificada? A indignação nas manifestações de rua é apenas reflexo de uma insatisfação com a classe política ou resulta, também, da incapacidade do Estado brasileiro de atender às expectativas de progresso da população? A sociedade brasileira deve trocar o ideal de expansão do consumo pela busca da qualidade de vida? Venha especular e refletir sobre esses temas com economistas renomados que acompanham a trajetória da economia brasileira há longo tempo e possuem opiniões divergentes sobre o presente e o futuro do setor.



Ditadura militar, 50 anos II


A CASA DO SABER RIO O GLOBO e o jornal O Globo promovem uma série de três encontros especiais para discutir a ditadura militar brasileira exatamente meio século após sua implantação, com o golpe de Estado que depôs o presidente João Goulart em 1964. Esse segundo encontro discutirá as mudanças na sociedade durante os 21 anos do regime. Também examinará as transformações ocorridas na economia e as realizadas no aparelho estatal, com a criação de diversas empresas, bem como seus reflexos hoje.

Foto: Início da Transamazônica. Orlando Brito/ Agência O Globo. 



Por que o Brasil cresce menos do que pode?


Os economistas Fabio Giambiagi e Alexandre Schwartsman são autores do recém-lançado livro Complacência - Entenda por que o Brasil cresce menos do que pode. Na obra, os dois especialistas atualizam a crítica à ausência de medidas mais incisivas por parte do governo em relação a determinantes do crescimento da economia brasileira, como educação, infraestrutura e elevação da poupança doméstica. Nessa aula aberta, Giambiagi faz um panorama sobre a atual situação econômica para buscar compreender por que o Brasil tem dificuldade de crescer em um ritmo mais veloz e harmônico. Uma sessão de autógrafos do livro complementará o evento.



Os iranianos


A CASA DO SABER RIO O GLOBO e a Editora Contexto promovem um bate-papo entre os jornalistas Samy Adghirni, autor de Os Iranianos, Pedro Doria, editor-executivo d'O Globo, e Luiz Antonio Ryff, diretor da Casa do Saber Rio O Globo, sobre o Irã, nação muito discutida, porém pouco conhecida no Ocidente. No país que foi a antiga Pérsia, convivem tradição e modernidade, burocracia e mudanças aceleradas, mulheres com hijab e calças jeans. Trata-se de um país que conheceu forte influência ocidental nos tempos do xá Reza Pahlavi e uma revolução islâmica em 1979, liderada pelos aiatolás. No livro, Adghirni, que foi correspondente do jornal Folha de S. Paulo em Teerã de 2011 até julho deste ano, desvenda para o leitor brasileiro um pouco do país: da política à geografia, da gastronomia ao esporte, da cultura à economia. Revela, assim, para além dos preconceitos e da desinformação, quem realmente são os iranianos. Ao se inscrever, o aluno ganha de presente um exemplar de Os Iranianos, de Samy Adghirni



O que faz o brasil, Brasil?


Em 1984, Roberto DaMatta, um dos principais antropólogos brasileiros, publicou o livro O que faz o brasil, Brasil?. Na contramão de uma visão oficial do país, calcada na sequência de fatos históricos exaustivamente elencados em manuais, DaMatta propôs uma leitura da identidade brasileira através não somente de suas instituições e leis, mas também do “jeitinho malandro”; não apenas através da arte, da política e da economia, mas também dos rituais, das festas e da comida. Nesse curso, o autor revisitará as principais temáticas contidas em sua obra e que ainda povoam nosso imaginário e ajudam a explicar o que é o Brasil.



Um panorama da economia mundial pós-Guerra Fria


O curso apresentará uma visão panorâmica da história econômica mundial pós-Guerra Fria. O historiador Eric Hobsbawm considerou o século XX um século curto, que se estendeu da Primeira Guerra Mundial ao fim do socialismo real, no início dos anos 90. Nessa linha, o século XXI teria começado com o fim da União Soviética, em dezembro de 1991. Nesse sentido, esse conjunto de palestras pode ser encarado como uma introdução à história econômica do século XXI.



Os princípios da entropia


Nascido na Grécia, Constantino Tsallis é autor de uma teoria revolucionária em mecânica estatística sobre o princípio da entropia, uma grandeza que mede a desordem ou a falta de informação em níveis microscópicos. Seu nome já foi aventado para o prêmio Nobel de Física. Por causa de sua “estatística de Tsallis”, ele se tornou o autor de artigo científico exclusivamente brasileiro mais citado por pesquisadores acadêmicos em todo o mundo, em todos os tempos. Inicialmente aplicada apenas ao universo da física, sua teoria passou a ser adotada em outros campos, como a biologia, a economia, a linguística e a psicologia. Nesse curso, Tsallis explicará os princípios da entropia e, na segunda aula, em conjunto com a psicóloga Alexandra Tsallis, abordará aplicações em outros campos, além da física.



A dádiva – afetos, identidades e trocas materiais


As trocas de presentes, embora comuns em nosso cotidiano, não costumam ocupar muito espaço em nosso pensamento. Diante da “seriedade” de tantos outros assuntos (a violência, a política, a economia etc.), pensar sobre os presentes que trocamos pode parecer irrelevante. Entretanto, as teorias da dádiva perpassam toda a história da antropologia, desde seus fundadores até hoje. Tanta atenção pode ser explicada pela relação existente entre quem somos e o que damos/recebemos: quando dizemos que “um presente é a sua cara” não estamos falando da forma como vemos o outro, ou seja, de sua identidade?

E quando dizemos “o que vale é a intenção” não estamos nos referindo às emoções que embutimos nos objetos? E mais: será que devemos limitar a dádiva às trocas entre pessoas ou podemos pensar em “alargar” seu raio de alcance, incluindo aí os sistemas de cooperação internacional e as reparações exigidas/demandadas no âmbito político? Esse curso pretende explorar a riqueza das teorias da dádiva para pensar as diversas formas de “troca” que organizam, em sua maior parte de maneira irrefletida, tantos fenômenos do nosso cotidiano.

   



Teoria dos Jogos: Matching, uma introdução


A Teoria dos Jogos contempla a maneira como pensamos, agimos e criamos expectativas, e seu objeto fundamental é a interação entre os indivíduos. Utilizando-se de conceitos como cooperação, conflito e credibilidade de promessas, essa teoria pode ser estendida ao mundo dos negócios, às barganhas políticas e até mesmo ao convívio familiar. Dentro desse campo, a Teoria de Matching busca compreender interações mais complexas, ligadas às escolhas e aos ajustes entre agentes. Por exemplo, de que forma os milhares de estudantes são alocados nas universidades? Como trabalhadores com diferentes habilidades são contratados no mercado de trabalho? Qual a melhor maneira de compatibilizar doadores e receptores de órgãos a serem transplantados?

Para ministrar esse curso, a CASA DO SABER RIO O GLOBO convidou a professora Marilda Sotomayor, figura-chave no desenvolvimento da Teoria de Matching, autora de dezenas de artigos e livros, como Two-sided Matching, assinado com o prêmio Nobel Alvin Roth. Em 2014, Sotomayor foi homenageada durante o International Workshop on Game Theory, que contou com a presença de quatro laureados com o Nobel da Economia, entre eles John Nash, matemático fundador da Teoria dos Jogos.



Um olhar para a China através da cultura, da filosofia e da literatura


Conhecida como o império do meio, a China é um país que há menos de 200 anos tinha 50% do PIB mundial. Agora, o país parece voltar, aos poucos, à antiga pujança, depois de um crescimento vertiginoso nas últimas décadas. Será que o capitalismo funciona melhor sobre os fundamentos de uma economia rigorosamente planejada do que debaixo de um Estado mínimo? Maior parceiro comercial do Brasil, a China ainda é pouco conhecida por aqui. Esse curso pretende abordar obras fundamentais escritas por chineses, como Lao-Tsé e Sun Tzu, e também a China, como os passeios estrangeiros de Marco Polo nas Viagens maravilhosas e de Kafka. E finaliza discutindo a literatura que recentemente deu ao mundo dois Prêmios Nobel e continua vinculada àquilo que marca culturalmente a China.



Perspectivas para a economia do Brasil


Em que pé se encontra a economia brasileira? Em que medida o ambiente internacional explica, de fato, muitas das dificuldades atuais? O que deve ser mantido e o que pode ser mudado para que a economia nacional volte aos trilhos? Estas são algumas das questões a serem abordadas por Arminio Fraga, um dos mais importantes economistas do país, em sua avaliação da economia brasileira.



Economistas-chefes: como se montam cenários para a economia do Brasil e do mundo 2


Neste encontro especial, o economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco Ilan Goldfajn fará uma abordagem sobre a atuação em sua área e proporá uma discussão sobre a previsão de tendências econômicas, análises de risco, pesquisa macroeconômica, entre outros assuntos.



Para onde vai a economia do Brasil?


Em que pé se encontra a economia do Brasil? Quais os reflexos das mudanças na política econômica nos últimos dez anos? Que avanços e retrocessos obtivemos? E quais são as perspectivas? Essas e outras questões serão abordadas pela economista e advogada Elena Landau em sua avaliação da economia brasileira.

Apoio acadêmico:



Cenário macroeconômico para 2016... e além


O final de 2015 foi marcado por crises e incertezas em relação ao futuro da economia. No Brasil, uma enorme crise política, uma forte pressão dos preços, quedas na produção, escalada do desemprego. No resto do mundo, a apreensão com a desaceleração da economia da China, a queda no preço das commodities e a preocupação com a recuperação da Europa e dos EUA. Diante desse quadro desafiador, a CASA DO SABER RIO O GLOBO recebe Paulo Guedes, um dos economistas mais reconhecidos do país, para aplicar seu conhecimento no diagnóstico da atual crise e avaliar o cenário que enfrentaremos nos próximos anos.



As cores de Beatriz Milhazes


Para celebrar os dez anos de fundação da CASA DO SABER RIO O GLOBO, os membros do seu conselho diretor recebem, para uma rodada de conversas, amigos que são destaque em suas áreas de interesse e atuação. O ciclo Os Sócios Recebem ilustra a pluralidade de vozes e temas, característica da CASA desde a sua concepção. Publicidade, artes, justiça, tecnologia, economia, entre outros assuntos, serão contemplados em seis encontros.

Nesse encontro, Marcio Fainziliber, presidente do conselho do Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR), colecionador e fundador da CASA, recebe Beatriz Milhazes para um bate-papo com esta artista, que ocupa um dos mais destacados lugares no cenário da arte contemporânea brasileira.



Estados Unidos e China


Um quarto da população mundial, um terço da economia do planeta e um comércio bilateral de 600 bilhões de dólares. Esses são apenas alguns dados que exemplificam o peso global dos Estados Unidos e da China, cujas relações oscilam entre a rivalidade e a parceria. Esse curso pretende abordar as principais diretrizes e estratégias de atuação internacional dos dois países, considerando temas como defesa, comércio e diplomacia. Serão discutidas as relações dessas potências com os seus respectivos entornos regionais, bem como os desafios que se apresentam.



O Brasil e o futuro de seus recursos naturais


Duas das mais importantes commodities globais, o minério de ferro e o petróleo, são uma dádiva ou uma maldição para a economia brasileira? Como a descoberta de enormes reservas de petróleo pôde resultar em perdas tão grandes para a Petrobras? O que podemos aprender com os sucessos e os fracassos de outros países no setor? E o que esperar do futuro próximo? Essas e outras questões serão abordadas nessa aula especial, que propõe uma análise sobre a participação dos setores ligados aos recursos naturais na economia.

Apoio acadêmico:      

​      



Economistas-chefes: como se montam cenários para a economia do Brasil e do mundo


Octavio de Barros, economista-chefe do banco Bradesco, propõe, nesse encontro especial, uma abordagem sobre a atuação em sua área com uma discussão acerca da previsão de tendências econômicas, análises de risco, pesquisa macroeconômica, entre outros assuntos.



De volta aos anos oitenta?


Para celebrar os dez anos de fundação da CASA DO SABER RIO O GLOBO, os membros do seu conselho diretor recebem, para uma rodada de conversas, convidados que são destaque em suas áreas de interesse e atuação. O ciclo Os Sócios Recebem ilustra a pluralidade de vozes e temas, característica da CASA desde a sua concepção. Publicidade, artes, direito, tecnologia, economia, entre outros assuntos, serão contemplados em seis encontros.

Nesse encontro, o executivo Paulo Gouvêa recebe o economista José Marcio Camargo para um bate-papo sobre a atual situação da economia no Brasil em comparação com o cenário da década de 80. Em que medida a inflação crescente, a desvalorização cambial, o alto endividamento público - e o clima generalizado de pessimismo - remetem àqueles anos?

Apoio acadêmico:      

​      



Internet: passado, presente e futuro


Para celebrar os dez anos de fundação da CASA DO SABER RIO O GLOBO, os membros do seu conselho diretor recebem, para uma rodada de conversas, convidados que são destaque em suas áreas de interesse e atuação. O ciclo Os Sócios Recebem ilustra a pluralidade de vozes e temas, característica da CASA desde a sua concepção. Publicidade, artes, direito, tecnologia, economia, entre outros assuntos, serão contempladas em seis encontros.

Nesse encontro, Alexandre Ribenboim, um dos fundadores da CASA, especialista e consultor em tecnologia, recebe Guilherme Ribenboim, vice-presidente do Twitter para a América Latina, e o jornalista Beto Largman para um bate-papo sobre uma série de questões acerca do futuro da tecnologia, como as principais tendências para a internet nos próximos anos, as ferramentas da web e suas possibilidades, as diferenças entre as plataformas, entre outros assuntos.



Nova economia, novos trabalhos


Com a nova economia, o avanço tecnológico e a onipresença da internet, vem um novo tipo de trabalho – em casa, descentralizado, mediado por aplicativos das mais variadas funções. Por um lado, a tecnologia auxilia a conexão entre clientes, profissionais e serviços, aproxima distâncias e acelera processos. Por outro, representa uma inevitável precarização do trabalho. Quais os impactos dessas mudanças?

Apoio acadêmico:      

​      



Os grandes economistas da História


Quem são os principais pensadores da economia e quais os fundamentos de suas correntes teóricas? A partir de tais perguntas, esse curso pretende explorar a obra e as ideias básicas de alguns dos mais importantes nomes na área, assim como sua influência ao longo da história e seu legado para o mundo de hoje.

Apoio acadêmico:      

​      



A crise, a moeda e o capitalismo brasileiro


O economista Gustavo Franco, um dos mentores do Plano Real, abordará a crise atual e os desafios da economia brasileira sob uma perspectiva histórica. Aspectos como a trajetória da inflação, o papel das instituições monetárias, os regimes de política econômica adotados ao longo do tempo - bem como a credibilidade destes regimes -, e a atual crise estarão entre os assuntos explorados nesse encontro.

Apoio acadêmico:      

​      



Conceitos básicos de Economia


Essas aulas visam fornecer a não economistas alguns elementos básicos da ciência econômica que lhes permitam entender com mais facilidade o debate público em torno do tema, altamente em voga. Como qualquer conhecimento organizado, o estudo da economia parte da definição específica de variáveis e indicadores quantitativos, gerando, a partir daí, o desenvolvimento de teorias que correlacionam tais variáveis segundo nexos de causalidade específicos.

O curso pretende cobrir duas frentes. Inicialmente, definir quais são as principais variáveis macroeconômicas utilizadas na discussão do dia a dia por economistas e imprensa. Num segundo momento, estabelecer relações teóricas entre estas variáveis para compreender as principais explicações que descrevem seus comportamentos.

Os temas discutidos serão ilustrados com exemplos do desempenho da economia brasileira no período recente.



José Márcio Camargo


O ciclo SABER EXECUTIVO inaugura um novo horário na programação da CASA DO SABER RIO. A cada trimestre, um tema. A cada mês, um convidado, que abordará questões atuais, sempre em sintonia com a temperatura das ruas.

Nessa primeira edição, o tema será Economia. As crises enfrentadas no Brasil e no mundo de hoje e as respostas dadas pelos governos e pela sociedade serão discutidas por grandes nomes da área: a jornalista Miriam Leitão e os economistas José Márcio Camargo e Elena Landau. 

Com duração de uma hora e meia, o SABER EXECUTIVO oferece aos alunos inscritos um lunch box da Le Dépanneur antes de cada encontro.  
 



Miriam Leitão


O ciclo SABER EXECUTIVO inaugura um novo horário na programação da CASA DO SABER RIO. A cada trimestre, um tema. A cada mês, um convidado, que abordará questões atuais, sempre em sintonia com a temperatura das ruas.

Nessa primeira edição, o tema será Economia. As crises enfrentadas no Brasil e no mundo de hoje e as respostas dadas pelos governos e pela sociedade serão discutidas por grandes nomes da área: a jornalista Miriam Leitão e os economistas José Márcio Camargo e Elena Landau.

Com duração de uma hora e meia, o SABER EXECUTIVO oferece aos alunos inscritos antecipadamente um lunch box da Le Dépanneur antes de cada encontro.  
 



Pré-estreia da série Incertezas Críticas


Incertezas Críticas é uma série documental com intelectuais de renome internacional. O objetivo é apresentar questões contemporâneas relevantes sobre arte, política, literatura, economia, relações internacionais, sociedade e história e permitir ao espectador entrar em contato com o trabalho dos principais pensadores da atualidade. Cada episódio traz um personagem principal, abordando algumas das questões fundamentais que ele tematiza em sua obra. Nesta temporada, os entrevistados são Jacques Rancière, Christian Boltanski, Axel Honneth, Andreas Huyssen, Antoine Compagnon, Elisabeth Roudinesco, Georges Didi-Huberman, Hal Foster, Jean-Luc Nancy, Jonathan Crary, Luc Ferry, Tzvetan Todorov e Umberto Galimberti.

O Canal Curta!, em parceria com a CASA DO SABER RIO, tem o prazer de te convidar para a sessão de pré-estreia da série. Faremos a exibição do episódio inédito com o filósofo e crítico de arte francês Georges Didi-Huberman, professor da École de Hautes Études en Sciences Sociales (Paris), que discorre sobre arte e psicanálise, história da arte e arte contemporânea, reflete sobre a relação entre arte e capitalismo e define o que é ser radical na arte contemporânea. Em seguida, teremos um debate com o historiador, roteirista e professor da Escola de Comunicação da UFRJ Maurício Lissovsky.

A série Incertezas Críticas, dirigida por Daniel Augusto, é uma produção original da Grifa Filmes com o Canal Curta!, financiada pelo Fundo Setorial do Audiovisual.

​  



Elena Landau


O ciclo SABER EXECUTIVO inaugura um novo horário na programação da CASA DO SABER RIO. A cada trimestre, um tema. A cada mês, um convidado, que abordará questões atuais, sempre em sintonia com a temperatura das ruas.

Nessa primeira edição, o tema será Economia. As crises enfrentadas no Brasil e no mundo de hoje e as respostas dadas pelos governos e pela sociedade serão discutidas por grandes nomes da área: a jornalista Miriam Leitão e os economistas José Márcio Camargo e Elena Landau. Os encontros poderão ser acompanhados em sua totalidade, ou de maneira independente, em aulas avulsas.

Com duração de uma hora e meia, o SABER EXECUTIVO oferece aos alunos inscritos um lunch box antes de cada encontro.  
 



A China e sua economia: (quase) tudo que você queria saber e tinha receio de perguntar


Segunda maior economia do planeta e importante mercado consumidor das commodities brasileiras, a China exerce papel central no mundo globalizado. No entanto, as particularidades de sua política e de sua economia são fonte de dúvidas e receios para muitos.

Em cinco encontros, esse curso traçará um panorama histórico da economia chinesa, abarcando desde a Revolução Comunista de 1949 até as perspectivas para os próximos anos. Serão abordados temas como as grandes reformas econômicas de Deng Xiaoping, as turbulências políticas, o retorno à centralização do poder com Xi Jinping, o combate à corrupção, o investimento da indústria em alta tecnologia e os desafios impostos pela nova agenda externa dos Estados Unidos.



Os primeiros 40 dias: em que direção marcha a França de Macron?


*Um ano depois de lançar o movimento Em Marcha! pela renovação da política francesa, Emmanuel Macron tornou-se presidente com 66% dos votos. O desafio de criar a sua base de apoio entre os 577 deputados da Assembleia Nacional não parece distante nas eleições legislativas dos dias 11 e 18 de junho. Mantendo o discurso de campanha, Macron montou um governo auto classificado de centro com claro tom liberal e modernizador na economia e com apoio a questões de sociedade simpáticas à esquerda. O seu governo parece ter chances reais de avançar em reformas relevantes para a França e para o fortalecimento da União Europeia e do Euro, buscando uma nova narrativa e um padrão de governança diferenciado em resposta à crise de representação política na França. A questão relevante é se as respostas que seu governo oferecerá à França e à Europa terão sucesso e sustentação ao longo de seu mandato.

Que obstáculos a República poderá encontrar pelo caminho e quais implicações de um eventual fracasso de seu governo? Para responder a estas e outras perguntas, o CEBRI e a CASA DO SABER RIO recebem os especialistas Dominique Moïsi (por videoconferência), o Embaixador Marcos Azambuja, e o economista Octavio de Barros.

*Os associados do CEBRI possuem 20% de desconto nas inscrições através do telefone 2227-2237.

Parceria



Comunicação não-violenta: o que isso tem a ver com o mundo corporativo?


O mundo atual exige líderes capazes de guiar e motivar suas equipes, criando um ambiente onde todos cooperem entre si para atingir objetivos comuns. Pesquisas realizadas pelo expert em neurociência e neuroeconomia Paul Zak e publicadas na revista Harvard Business Review mostram que funcionários de empresas que fomentam uma relação de confiança entre eles são 50% mais produtivos, 74% menos estressados e 76% mais engajados. Isso impacta de forma considerável a lucratividade das organizações.

A tarefa, no entanto, não é simples. Mesmo quando bem-intencionados, muitos gestores acabam obtendo resultados insatisfatórios devido a falhas na interação com os funcionários. Isso porque uma fala livre de agressividade e humilhações não é suficiente. Para fomentar diálogos construtivos, confiança, empatia, reuniões mais eficazes e comprometimento com a empresa de forma genuína, são necessárias também mudanças sutis.

Nesse encontro, a especialista em coaching e desenvolvimento de líderes Marie Bendelac Ururahy apresentará os princípios básicos da Comunicação Não-Violenta. A técnica – desenvolvida pelo americano Marshall Rosenberg e aplicada em organizações de todas as naturezas, inclusive na ONU – é capaz de revolucionar os relacionamentos e gerar melhores resultados para os negócios.

*O ciclo ocorre das 13h às 14h30, e os inscritos recebem um lunch box antes de cada encontro.  



Ascensão e queda da nova Classe Média


Os primeiros anos do século XXI foram marcados pela ascensão de uma nova classe média. Beneficiados por fatores como o crescimento da economia, a expansão do mercado formal de trabalho, o aumento da renda e a maior facilidade de crédito, milhões de brasileiros tiveram acesso, pela primeira vez, a serviços e bens de consumo antes restritos a outras camadas populacionais, assumindo um protagonismo inédito na sociedade. Mas como a chamada classe C está se comportando diante da crise que ameaça sua posição e suas conquistas? Que desafios e frustrações o momento atual impõe a esse segmento? Esse curso se debruçará sobre essas e outras questões para traçar um retrato abrangente das transformações sociais em curso no país.