Busca

     

Resultado



Conversas com Benjamin

O alemão Walter Benjamin (1892-1940) foi um pensador singular. Sua obra perpassa diferentes campos do saber, desafiando as classificações tradicionais. A riqueza de seu pensamento reside nos desvios ao caminhar por vários temas, o que toma corpo em sua escrita ensaística. Esse curso abordará algumas das conversas que ecoam nos textos de Benjamin entre a filosofia e outras áreas.



A vida que vira arte

A literatura, como qualquer outra forma de expressão artística, sempre é, em alguma medida, confessional. Um autor só atinge o universal quando é subjetivo, quando elabora uma experiência que o tocou, que o marcou. A subjetividade, no entanto, não garante que ele conseguirá sair da própria alma para chegar ao mundo lá fora, pois não há, nem de longe, uma ponte que leve, automaticamente, do umbigo ao universo. Mas sempre que essa ponte é construída, a literatura mostra que pode ser a filosofia que sabe dançar, a metafísica com jogo de cintura, a psicologia com histórias para contar, capaz de oferecer seus olhos para que vejamos melhor dentro de nós mesmos.

A partir de seis autores clássicos e de uma experiência pessoal, esse curso propõe um estudo sobre o que é verdade e o que é invenção na literatura, indicando como a realidade, a fantasia e a interação com outras obras podem virar romance. Além disso, pretende-se observar por que tipo de processos de transformação passam determinados eventos até virarem letra



Nietzsche e o combate ao pessimismo

O combate ao pessimismo contemporâneo – e a consequente crítica aos discursos enaltecedores do mal-estar – faz com que a filosofia de Nietzsche possa ser lida como uma exaltação trágica de três aspectos que o homem contemporâneo, contaminado pelo niilismo, deixou de valorizar: o riso, o jogo e a dança.

Em Nietzsche, rir é afirmar a vida em sua totalidade, extraindo do sofrimento a comoção da criação artística. Jogar é afirmar o acaso pelo lance de dados, submetendo-o ao crivo da imperiosa necessidade da vontade de potência. Dançar é afirmar o devir, querendo igualmente o seu eterno retorno. O propósito desse curso é tentar entender as condições do pessimismo a fim de se encontrar o meio adequado para a sua superação.



A pseudociência e outras questões da filosofia da ciência

A ciência foi um objeto importante de reflexão filosófica de destacados pensadores do século XX. O objetivo do curso é apresentar alguns dos problemas relevantes na área (como o conceito de conhecimento, a demarcação entre ciência e pseudociência, a veracidade das teorias, a questão do progresso científico, entre outros) a partir das obras de três filósofos da ciência: Karl Popper, Thomas Kuhn e Paul Feyerabend.