Busca

     

Resultado



ESCOLAS PSICANALÍTICAS: FREUD, JUNG E KLEIN


Ao criar a teoria psicanalítica, Sigmund Freud alertou que “o Eu não é senhor em sua própria casa”. Para ele, a consciência é somente a ponta de um iceberg cuja profundidade permanece, ainda hoje, desconhecida. Depois de Copérnico deslocar o homem do centro do universo, com seu heliocentrismo, e de Darwin pôr em xeque a sacralidade da origem humana, com sua teoria evolucionista, a descoberta do inconsciente, por Freud, abriu uma grande ferida na humanidade por questionar a onipotência de sua racionalidade.

Nesse ciclo, que terá continuidade nos próximos meses, reuniremos renomados especialistas para discorrer sobre os aspectos biográficos, o contexto histórico, a produção teórica e as contribuições clínicas de Freud e de seus principais sucessores na formulação da teoria psicanalítica.



TEMPOS COMPULSIVOS: A BUSCA DESENFREADA PELO PRAZER


As transformações ocorridas nas últimas décadas provocaram profundas mudanças no estilo de vida das pessoas e acabaram por moldar formas de sofrimento psíquico específicas de nossa época. O curso propõe um amplo debate com base em conceitos psicanalíticos de Freud e Lacan, destacando aspectos da dor contemporânea e seu contraponto, a busca desenfreada pelo prazer.

 

> Os inscritos receberão o livro Tempos compulsivos: a busca desenfreada pelo prazer.



LITERATURA E PSICANÁLISE: TRÊS PONTOS DE ENCONTRO


“Na ciência da alma, os escritores literários se adiantaram grandemente com relação a nós, homens comuns, pois se nutrem de fontes que ainda não tornamos acessíveis à ciência.” A afirmativa é de Sigmund Freud, numa das muitas ocasiões em que faz menção à literatura como campo privilegiado de conhecimento do sujeito. Um campo que, assim como a psicanálise, se funda numa aposta na palavra e em seus efeitos.

As referências literárias de Freud são tão relevantes e numerosas, que o esforço de catalogá-las seria hercúleo. Mas podemos nos perguntar: o que o pai da psicanálise aprendeu com alguns de seus escritores favoritos, como Sófocles, Shakespeare e Dostoiévski? E o que os psicanalistas, seguindo a esteira freudiana, continuam aprendendo com escritores como o italiano Primo Levi, representante da literatura de testemunho do século XX?

Essas questões servirão de norte para o curso, que tecerá um diálogo entre literatura e psicanálise, a partir de três pontos de encontro entre a obra freudiana e as obras de importantes escritores.



60 ANOS ZAHAR NA CASA
FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE, UMA INTRODUÇÃO


Freud adiou a escrita de seus célebres artigos sobre a técnica por alguns anos, durante os quais a experiência clínica lhe permitiu construir o método psicanalítico e conceber a finalidade da psicanálise. Dando ênfase a esse período da obra freudiana em suas dimensões teóricas e políticas, o psicanalista Marco Antonio Coutinho Jorge, no terceiro volume de sua obra Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, situa o “ciclo da técnica” na sequência rigorosa dos ciclos do inconsciente e da fantasia, abordados nos dois volumes anteriores.

Nesse encontro do ciclo 60 ANOS ZAHAR NA CASA, a CASA DO SABER RIO e a editora ZAHAR recebem Marco Antonio para apresentar os principais conceitos clínicos freudianos – transferência, resistência, repetição, elaboração, entre outros – em toda a densidade que adquirem com a grande renovação empreendida por Lacan. Para isso, além da teoria e de exemplos de consultório, recorre à observação de elementos do cotidiano tão variados quanto filmes, literatura e música pop, dando vida aos pontos fortes que constituem a prática analítica.

*Os inscritos receberão de presente exemplares de livros dos autores e temas abordados ao longo do ciclo.

PARCERIA:

    ​            



LIÇÕES DE PSICANÁLISE COM NELSON RODRIGUES


Nelson Rodrigues morreu há quase quatro décadas. Sua obra, porém, continua viva, arrebatando leitores e espectadores. É impossível se manter indiferente a seu “teatro desagradável”, que revira os personagens pelo avesso, escancarando contradições que não são só deles, e sim de cada um de nós. Uma obra em torno do sexo, da morte, daquilo que é destinado ao que Freud chamou de recalque.

Apesar de suas opiniões controversas sobre o Pai da Psicanálise, o escritor que revolucionou o teatro brasileiro deixou um legado capaz de transmitir o funcionamento do inconsciente freudiano. Transmitir não apenas numa dimensão ilustrativa, mas sobretudo pela produção de afetos, de efeitos, do que resta na carne de quem se arrisca a mergulhar no universo rodriguiano.

Partindo de frases, trechos de peças e contos, o curso é um convite a esse mergulho agitado nas ondas de um encontro entre literatura e psicanálise. Um encontro que perpassa os meandros do sonho, da fantasia, daquilo que nos parece inquietante, mas se revela como estranhamente familiar.



PENSADORES


Em seu tradicional ciclo Pensadores, a CASA DO SABER RIO reúne destacados professores para a apresentação dos aspectos mais relevantes da obra de alguns dos principais pensadores do Ocidente.

Os autores serão analisados segundo o contexto de sua obra, sua biografia e sua contribuição para a história do pensamento. Nesta edição, seguiremos de Freud a Elisabeth Roudinesco, em 15 encontros que poderão ser acompanhadas do início ao fim, em sua totalidade, ou de maneira independente, em aulas avulsas.  

ENCONTRO AVULSO: R$ 120
5 ENCONTROS: R$ 570
10 ENCONTROS: R$ 1080
15 ENCONTROS: R$ 1500

*Para compras de encontros avulsos e pacotes, entre em contato pelo telefone 2227 2237.  



PENSADORES | SIGMUND FREUD


Em seu tradicional ciclo Pensadores, a CASA DO SABER RIO reúne destacados professores para a apresentação dos aspectos mais relevantes da obra de alguns dos principais pensadores do Ocidente.

Neste encontro, a professora Nina Saroldi analisará o contexto da obra, a biografia e a contribuição de Sigmund Freud para a história do pensamento.



DEPRESSÃO À LUZ DA PSICANÁLISE E DA PSIQUIATRIA


A humanidade sempre apresentou variadas formas de lidar com a dor. Como diferenciar, à luz da psicanálise e da psiquiatria, a tristeza, a depressão e a dor de existir? A depressão se refere a uma perda fundamental que é, por vezes, tão inevitável quanto necessária. Freud distingue uma perda vivida como luto de outra que permanece sem elaboração (melancolia). A tristeza vivenciada pela ausência de um objeto difere da prostração advinda de uma posição na qual nada é capaz de afetar o sujeito, um “esvaziamento do eu”, um furo cavado por onde a vida escoa.

Como separar o joio do trigo? Veremos o que a psiquiatria tem a dizer sobre a atual profusão de diagnósticos de depressão. A modernidade trouxe este paradoxo: estamos mais conectados, mas claramente mais deprimidos. Essas e outras questões serão abordadas nesse curso.



A PSICOLOGIA JUNGUIANA NA ATUALIDADE


Por muito tempo colaborador e discípulo de Sigmund Freud, com quem depois rompeu, o psicanalista suíço Carl Gustav Jung propõe uma nova forma de entender a realidade da psique. Seus conceitos de inconsciente coletivo, arquétipos e sincronicidade trazem explicações compatíveis com os saberes do novo paradigma da complexidade.

Esse curso pretende apresentar, a partir de exemplos da clínica e da literatura, os principais conceitos da psicanálise junguiana, atualizando-os e esclarecendo o uso equivocado de suas teorias.