A FILOSOFIA ENCONTRA O CINEMA

POR UMA CRÍTICA DO OLHAR


Alexandre Costa

De 09 a 30 de maio - Segundas-feiras - das 20h às 22h - 4 encontros

empty_cinema_room_by_malypluskwiak

Os filmes selecionados para esse curso têm em comum o uso da lente cinematográfica como recurso para propor uma reeducação do olhar, quase sempre viciado em repetir o próprio ponto de vista. Apresentando ângulos inesperados para o tratamento de questões humanas e classicamente filosóficas, como as ideias de verdade, justiça e finitude, esses filmes levam, necessariamente, à reflexão. Investindo na arte do olhar como possibilidade de cura e de transformação contínua da nossa relação com a existência, formulam uma pedagogia do espanto, perspectiva que orienta e impulsiona a filosofia desde a sua origem.

A CASA DO SABER RIO O GLOBO oferece aos inscritos, das 17h30 às 19h, sessões dos filmes nas mesmas datas das aulas.

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

aulas


  • 09 MAI | A VERDADE EM CRISE
    A REALIDADE É UM FATO OU UM FEITO?
    FILME: RASHOMON, DE AKIRA KUROSAWA (JAPÃO, 1980)
    Ambientado no século XII, o filme nos faz questionar até que ponto aquilo a que chamamos “realidade” nos é apreensível, colocando também em xeque a ideia de uma verdade a um só tempo unívoca e absoluta.


  • 16 MAI | A CULTURA COMO ARTIFÍCIO INEVITÁVEL 
    O QUE SUSTENTA AS IDEIAS DE NATUREZA E ESSÊNCIA?
    FILME: O ANJO EXTERMINADOR, DE LUIS BUÑUEL (MÉXICO, 1962)
    Nesse belo estudo sobre o paradoxo de uma civilização cujo progresso sempre dependeu de violentos mecanismos repressivos, Buñuel apresenta em chave surrealista uma crítica às ideias de essência e natureza, acusando a artificialidade de toda cultura.


  • 23 MAI | OSCILANDO ENTRE O COSMO E O CAOS
    UMA QUESTÃO DE (IN)JUSTIÇA?
    FILME: CRIMES E PECADOS, DE WOODY ALLEN (EUA, 1989)
    O filme permite discutir se há mesmo uma justiça, natural ou divina, ou se sua criação é, antes, humana para lidar com a injustiça constitutiva de tudo.


  • 30 MAI | O ELOGIO DA FINITUDE 
    O QUE FAZER DA PRÓPRIA MORTALIDADE?
    FILME: NOSFERATU, O VAMPIRO DA NOITE, DE WERNER HERZOG (ALEMANHA, 1979)
    Esse talvez seja o único filme sobre Drácula em que o espectador se apieda mais do vampiro que de suas vítimas: Nosferatu vive a morte ou morre a vida? Em ambos os casos, um suplício perene. Sublinhar essa monstruosa condição provoca, por contraste, o efeito de uma rara e singular valorização da finitude humana, lançando um outro olhar sobre a morte.


ministrado por


  • Alexandre Costa

    Doutor em Filosofia pela Universität Osnabrück (Alemanha) e pela UFRJ. Pós-doutor em Teoria da Música na Antiguidade pela USP e em Filologia Clássica pela USP/Humboldt-Universität zu Berlin. Professor adjunto do Departamento de Filosofia da UFF. Autor de Heráclito: fragmentos contextualizados e A história da filosofia em 40 filmes (coautoria com Patrick Pessoa), entre outros livros.