A VIDA NÃO É JUSTA

LEITURA DRAMATIZADA + BATE-PAPO


Andréa Pachá, Claudio Mendes, Daniel Chagas, Joice Niskier, Leticia Isnard, Monica Bittencourt

19 de outubro - Quinta-feira - das 20h às 22h

Leo Martins

Joice Niskier, atriz e diretora de teatro, lendo as primeiras histórias do livro A vida não é justa, da juíza Andréa Pachá, sentiu uma vontade imensa de começar de novo a leitura. “Queria reler e agora em voz alta”, pensou. E assim o fez, e outra vez, e achou que, se colocasse numa certa sequência, seria possível criar um roteiro que conduzisse o ouvinte a uma sala de teatro. Também, pudera! Andréa, juíza desde 1994, , foi roteirista e produtora teatral por cinco anos antes da magistratura e teve a sorte, digamos assim, de atuar durante 15 anos na Vara de Família. A família, um lugar por excelência do drama humano. E assim, entre o amor e o ódio, entre filhos precoces e acertos de contas, entre separações e reconciliações, Andréa nos sensibiliza com a sua escrita, sua compaixão e seu magistral senso de justiça, defendendo a humanidade do Direito.

Sejam todos bem-vindos a sentar-se nas cadeiras do emblemático Imperator e testemunhar, sem juízo de valor, histórias reais que poucos escritores ousariam imaginar, lidas pelos atores Claudio Mendes, Daniel Chagas, Leticia Isnard e Monica Bittencourt. Ao final da leitura, teremos uma conversa com a juíza, que nos contará mais sobre a experiência de decidir a respeito de situações tão importantes na vida de pessoas epara quem o diálogo não é mais possível, para quem é necessário que uma lei, ou o entendimento dela, faça justiça. E que não nos enganemos, pois a vida não é justa.  

> Este encontro ocorrerá no Centro Cultural João Nogueira - Imperator (rua Dias da Cruz, 170 - Meier, Rio de Janeiro)
> A entrada é gratuita e os ingressos poderão ser retirados uma hora antes do evento na bilheteria do Imperator  

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

ministrado por


  • Andréa Pachá

    Juíza de Direito e ouvidora do Poder Judiciário do Rio de Janeiro. Titular da 4ª Vara de Órfãos e Sucessões, foi juíza de Família por 15 anos. Integrante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no biênio 2007-2009, criou o Cadastro Nacional de Adoção e implantou as Varas Especializadas em Violência Doméstica no Brasil. É conselheira do Centro de Defesa dos Direitos Humanos, ONG presidida pelo escritor Leonardo Boff. Integra o Fórum Permanente de Direito e Psicanálise. É autora dos livros A vida não é justa e Segredo de Justiça.

  • Claudio Mendes

    Ator, autor e diretor. No teatro atuou em Agosto, de André Paes Leme; no cinema em Minha Mãe é Uma Peça 2, e, em breve, Simonal; na TV participou de Valentins, de Claudia Abreu, no canal Gloob e na série Lúcia McCartney, baseado na obra de Ruben Fonseca e direção de José Henrique Fonseca, no GNT.

  • Daniel Chagas

    Ator, professor de interpretação, diretor, autor, coach e preparador de elenco. Como ator atuou em Uma Vida Boa, de Rafael Primot, direção Diogo Liberano, As Três Irmãs, de Anton Tchekhov, direção Morena Cattoni e Solos de Memória, de Uma Certa companhia, direção Morena Cattoni.

  • Joice Niskier

    Atriz, diretora e professora de teatro. Sua atividade principal é orientar aqueles que querem contar boas histórias. Como atriz trabalhou com diretores, como Bia Lessa, Moacyr Goés e Werner Herzog. Produziu e dirigiu diversos ciclos literários e leituras dramatizadas, que tiveram a participação de atores como Marco Caruso, Renata Sorrah, Mateus Solano e Flavio Bauraqui. Recentemente fez parte da curadoria do TEDX Barra da Tijuca, que teve a juíza Andréa Pachá como uma das palestrantes. Deste encontro nasceu a vontade de dirigir esta leitura baseada em seus livros A Vida não é justa e Segredo de justiça.

  • Leticia Isnard

    Atriz, produtora, tradutora e bailarina. Integra desde 2001 a Cia. Os Dezequilibrados, dirigida por Ivan Sugahara e sediada no Rio de Janeiro, com a qual atuou e produziu uma dezena de espetáculos de autores clássicos, contemporâneos, da nova dramaturgia e criações coletivas. Em parceria com Ivan Sugahara montou A Estupidez, de Rafael Spregelburd, tendo sido indicada ao Prêmio Shell de Melhor Atriz; e Mulheres Sonharam Cavalos, de Daniel Veronese, atuando como atriz, produtora, propositora e tradutora de ambas as peças. Na TV fez as novelas Avenida Brasil, Liberdade, liberdade, o seriado Filhos da Pátria e a minissérie Afinal, o que querem as mulheres?.

  • Monica Bittencourt

    Atriz. Integra atualmente a Companhia Teatro de Demolição com quem encenou os espetáculos Anatomia Comparada, Por que os prédios caem e Catástrofe da Borboleta, trabalho que lhe rendeu o prêmio de melhor atriz no Festival Internacional de Teatro em Mar del Plata na Argentina.