DIVÓRCIO COLABORATIVO: PRÁTICAS PARA EVITAR O LITÍGIO NOS CONFLITOS DE FAMÍLIA


Olivia Fürst

22 de fevereiro - Quinta-feira - das 15h às 17h

free-photos

A constatação de que os processos judiciais de natureza familiar causam desgaste para todos os envolvidos, inclusive  os vencedores da ação, tem aumentado a busca pelo divórcio colaborativo. A prática consiste na contratação de advogados que assinam um termo de confidencialidade e não litigância – e contam com o apoio de uma equipe multidisciplinar – para tentar construir um acordo. Em caso de sucesso, este é homologado e ganha validade legal. Do contrário, a equipe deixa o caso e as partes contratam novos representantes para dar início a uma ação litigiosa.

 

O termo de não litigância tem um efeito transformador. Quando os advogados não representam ameaça mútua e trabalham em convergência de propósitos, passam a proporcionar um ambiente protegido de conversa, onde é possível aventar inúmeras possibilidades, sem o receio de que estas, posteriormente, constem de autos de um processo.

 

Neste encontro, a advogada colaborativa Olivia Fürst explica como funciona esse procedimento, que tem se mostrado eficaz na obtenção de acordos consistentes e duradouros para casais divorciados.

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

ministrado por


  • Olivia Fürst

    Advogada colaborativa e mediadora de conflitos. Bacharel em Direito pela PUC-Rio, com especialização em Relações Internacionais pela mesma universidade. Experiência em Contencioso Cível e em Direito de Família. Em 2013 foi vencedora da X Edição do Prêmio Innovare na categoria Advocacia, com o texto Práticas colaborativas no Direito de Família. Foi uma das fundadoras, em 2014, do Instituto Brasileiro de Práticas Colaborativas (IBPC), do qual é diretora executiva. Preside a Comissão de Práticas Colaborativas da OAB-RJ.