Entre a poesia e a tradução


JOSÉ THOMAZ BRUM, LEONARDO FRÓES

25 de julho - Terça-feira - das 19h30 às 21h30

Leonardo Fróes, um dos maiores escritores brasileiros, tem obra de poeta e tradutor considerada ímpar e relevante por vários críticos. O encontro procurará salientar os dois lados desse grande homem de letras: o do tradutor de La Fontaine, Goethe, Shelley, Virginia Woolf, D.H. Lawrence, George Eliot (Prêmio Paulo Rónai de Tradução da Biblioteca Nacional em 1998, e Prêmio de Tradução da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto de livros traduzidos em 2008) e o do poeta de Sibilitz, Argumentos invisíveis (Prêmio Jabuti de Poesia em 1996) e Vertigens.

O filósofo e também tradutor José Thomaz Brum, amigo de Leonardo Fróes há 35 anos, prefaciador e apresentador de seus livros de poesia, fará um diálogo com o poeta, explorando zonas comuns de afinidade artística e poética.

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

ministrado por


  • JOSÉ THOMAZ BRUM

    Professor de Estética no Curso de Especialização em História da Arte da PUC-Rio. Licenciado e mestre em Filosofia pela mesma instituição, é doutor em Filosofia pela Universidade de Nice, França. Publicou Nietzsche: as artes do intelecto, O pessimismo e suas vontades Schopenhauer et Nietzsche: vouloir-vivre et volonté de puissance. É tradutor de Clément Rosset e Emil Cioran.

  • LEONARDO FRÓES

    Poeta, ensaísta e tradutor. É autor de Trilha, Chinês com sono, Contos orientais, Argumentos invisíveis e Vertigens – Obra reunida, 1968-1998, entre outros livros. Traduziu obras de Virginia Woolf, William Faulkner, J.M.G. Le Clézio, Shelley, Jonathan Swift, Thomas Merton, André Maurois, La Fontaine, George Eliot, Goethe, Malcolm Lowry, Elizabeth Barrett Browning, entre outros escritores. Foi redator do Jornal do Brasil, de O Globo e da Encyclopaedia Britannica. Ganhou o Prêmio Jabuti de Poesia em 1996; o de Tradução da Fundação Biblioteca Nacional em 1998; e o de Tradução da Academia Brasileira de Letras, em 2008.