O TEMPO DA EXISTÊNCIA: DIÁLOGOS SOBRE CRONOS


Regina Schöpke

De 16 de novembro a 07 de dezembro - Quintas-feiras - das 19h30 às 21h30 - 4 encontros

Cronos (Saturno, para os romanos) é o cruel deus grego que gera e devora os filhos. Não por outra razão é associado ao tempo. De fato, é assim que normalmente representamos o tempo, como um senhor impiedoso que nos rouba a juventude, embora também seja visto como um amigo que nos permite esquecer as aflições, já que, segundo se diz, é de sua natureza não permitir que nada dure para sempre. Seja como for, e antes de qualquer coisa, é preciso saber o que é o tempo, algo que, como Santo Agostinho sabiamente dizia, “quando não penso no tempo, eu sei o que ele é, mas basta alguém perguntar e eu já não sei explicar”.

Sem dúvida, a ideia de tempo é paradoxal, porque ainda que todos pensem saber o que ele é, nada parece mais misterioso e fugaz. Partindo desse pressuposto, o curso pretende discutir as diferentes abordagens sobre o tema na filosofia e também na ciência – independentemente de qualquer definição, ele se apresenta sempre associado à existência e ao movimento das coisas. Mas o que é o tempo, afinal? Eis a questão!

INSCRIÇÃO ONLINE
Valor R$ 400,00

INSCREVA-SE AQUI

Conheça as formas de pagamento e a
política de cancelamento

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

aulas


  • 16 NOV | O QUE É TEMPO?

    Apresentação do tema e primeiras reflexões. O que é tempo? Em que medida ele não pode ser desligado da existência? O caráter paradoxal do tempo – seja porque dizemos senti-lo, mas não podemos apreendê-lo por nossos sentidos; seja porque ele se apresenta, simultaneamente, como aquele que rouba nossa juventude e impede a eternidade de nossas alegrias; seja porque é aquele que alivia as agruras da vida. Mas e o tempo, ele em si, fora de nós? Ele corre, ele passa?


  • 23 NOV | TEMPO VERSUS ETERNIDADE

    A relação entre o tempo e a mobilidade da vida e a ideia de um tempo paralisado, onde nada passa, onde tudo dura infinitamente. A vida como fluxo contínuo e o desejo humano de paralisar o tempo. As primeiras reflexões sobre o tema na filosofia: pré-socráticos, Platão, Aristóteles, estoicos e epicuristas.


  • 30 NOV | O TEMPO COMO DISTENÇÃO DA ALMA

    O primeiro estudo mais sistemático feito por Santo Agostinho sobre o tempo. Primeira reflexão sobre a passagem do tempo como algo que se dá na interioridade e não na exterioridade. Ser e consciência. Agostinho como o precursor da concepção do tempo psicológico. Tempo humano e tempo do mundo.


  • 07 DEZ | DIÁLOGOS SOBRE O TEMPO ENTRE FILÓSOFOS E ENTRE CIENTISTAS

    Espinosa, Kant, Jean-Marie Guyau, Bergson, Nietzsche, Deleuze e Heidegger. As múltiplas formas de pensar o tempo, desde sua relação com o espaço até sua compreensão como estrutura matemática, duração ou eterno retorno. A ciência pensando o tempo: Albert Einstein e Ilya Prigogine. Teoria da relatividade e da irreversibilidade. Reflexões finais: o tempo existe em si no mundo ou somente na psique?


ministrado por


  • Regina Schöpke

    Doutora em Filosofia pela Unicamp, mestre em Filosofia pela UFRJ e em História Medieval pela UFF. Autora dos livros Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade; Matéria em movimento: a ilusão do tempo e o eterno retorno; e Dicionário filosófico. É também tradutora e colaboradora dos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo.

INSCREVA-SE AQUI