Quatro casamentos e um funeral

Princesas como peças do jogo político internacional


ISABEL LUSTOSA

De 23 de junho a 14 de julho - Sextas-feiras - das 19h30 às 21h30 - 4 encontros

Ao contrário do que aprendemos nos contos de fada, a vida das princesas e rainhas europeias não era uma vida de sonhos. Muitas vezes, dependendo da situação, se convertia em um verdadeiro pesadelo. Se quase todos os matrimônios entre membros da nobreza e da alta burguesia eram realizados a partir de interesses econômicos e sociais bem definidos, os promovidos pelas famílias reais envolviam sempre negociações políticas das mais complexas. Neste curso, apresentamos quatro casos direta ou indiretamente relacionados com a história do Brasil e que tiveram consequências para o destino da monarquia no país. Outros casamentos e outros funerais também fizeram parte da nossa história imperial e serão mencionados ao longo das aulas.

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

aulas


  • 23 JUN | 1. CARLOTA JOAQUINA (1775-1830): A ESPANHOLA, SEU ARDILOSO MARIDO E O SONHO FRUSTRADO DE SER A RAINHA DO PRATA


  • 30 JUN | 2. MARIA LUÍSA, IMPERATRIZ DA FRANÇA (1791-1847): O SACRIFÍCIO DE UMA PRINCESA AO INIMIGO NAPOLEÃO BONAPARTE, QUE NEM ERA TÃO RUIM ASSIM


  • 07 JUL | 3. VIDA E MORTE DE LEOPOLDINA (1797-1826): UMA ARQUIDUQUESA AUSTRÍACA NOS TRÓPICOS E SEU PÉSSIMO MARIDO


  • 14 JUL | 4. AMÉLIA DE LEUCHTENBERG (1812-1873): O CASAMENTO DA NETA DE NAPOLEÃO COM O IMPERADOR DO BRASIL


ministrado por


  • ISABEL LUSTOSA

    Doutora em Ciência Política pelo Iuperj. Pesquisadora titular da Fundação Casa de Rui Barbosa, membro do Pen Club do Brasil e sócia honorária do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Ocupou a Cátedra Simon Bolívar da Universidade Sorbonne Nouvelle – Paris III (França) e foi titular da Cátedra Sérgio Buarque de Holanda/Maison des Sciences de l’Homme/Paris, atuando como professora visitante na Universidade de Rennes – II (França). Especialista em História da Imprensa e da Caricatura Brasileira, nos últimos 20 anos vem concentrando seus estudos e suas publicações no período joanino e no Primeiro Reinado. É autora, entre outros, de Insultos impressos: a guerra dos jornalistas na Independência; D. Pedro I: um herói sem nenhum caráter; Lampião: esperteza e violência. Organizou: Imprensa, humor e caricatura: a questão dos estereótipos culturais; Imprensa, história e literatura; e Agostini: o italiano que desenhou o Brasil.