Busca

     

Resultado



CONFLITOS ARMADOS CONTEMPORÂNEOS


Criada com vistas a manter a paz, a segurança internacional e, por extensão, garantir mecanismos efetivos de proteção humanitária, a Organização das Nações Unidas concebeu as Operações de Paz no final da década de 1940 para alcançar esses objetivos basilares. Diante, entretanto, da complexidade dos conflitos armados a partir do término da Guerra Fria, particularmente na Somália, em Ruanda e na Bósnia, o Conselho de Segurança passou a incluir uma quantidade expressiva de tarefas relacionadas à proteção de civis no contexto de tais operações. Essa importante mudança de postura permitiu uma multidimensionalidade no arcabouço institucional de resposta às emergências complexas.

Diante dessa perspectiva, o objetivo do curso é discorrer sobre a configuração dos conflitos armados contemporâneos e a lógica de resposta desenvolvida pelas Nações Unidas. Para tanto, num primeiro momento, apresenta as mudanças paradigmáticas na condução das guerras a partir do início da década de 1990 e o desenvolvimento normativo e institucional de resposta adotado pela ONU entre 1992-2017. Em seguida, reflete sobre os crescentes desafios e dilemas de coordenação humanitária diante da inclusão da proteção de civis nos mandatos das Operações de Paz e de diversas organizações governamentais e não governamentais.



O FUTURO DIGITAL PODE SER MAIS HUMANO?


A Quarta Revolução Industrial, como está sendo chamado o período que estamos atravessando, traz enormes avanços para a humanidade, mas ao mesmo tempo nos coloca frente a importantes desafios. O renascimento do feminismo; as relações humanas em um mundo cada vez mais conectado; a inteligência artificial que cada vez mais se incorpora ao nosso cotidiano e o papel das grandes marcas de tecnologia na nossa privacidade são assuntos transversais que vão impactar a vida de todos nós.

Neste encontro, vamos discutir algumas dessas tendências e refletir sobre este mundo VUCA – acrônimo inglês para volátil, incerto, complexo e ambíguo - em que vivemos, buscando entender melhor o que esperar deste futuro que fascina ao mesmo tempo em que assusta.



ISRAEL E O MUNDO


Os últimos episódios da política israelense atraíram ainda mais os olhares do mundo para o país, que vem protagonizando muitos dos debates diplomáticos na comunidade internacional. Das eleições que garantiram o quinto mandato de Benjamin Netanyahu em meio a acusações e investigações de corrupção à repercussão entre os países árabes de declarações polêmicas feitas recentemente pelo premiê, o que esperar sobre os rumos da economia e da segurança para o país?

O historiador Michel Gherman nos atualiza, em dois encontros, sobre o momento político atual de Israel, num panorama das relações internacionais com o Mundo Árabe, os Estados Unidos e o Brasil. Em pauta, a promessa israelense de anexar em definitivo parte da Cisjordânia onde residem colonos israelenses; a relação amistosa com o presidente norte-americano Donald Trump e o acordo de paz prometido pelos EUA para a região e o discurso de aproximação entre Brasil e Israel por parte do governo brasileiro.



A PRECOCE DOR DE EXISTIR: O CRESCIMENTO DO SUICÍDIO E DO HOMICÍDIO ENTRE OS JOVENS


Fenômeno mundial extremamente alarmante, o aumento do número de suicídios entre uma população cada vez mais jovem tem assustado pais e mobilizado especialistas da saúde e da educação. Que mudanças contribuíram para este crescimento? Quais as novas configurações desse ato extremo, cada vez mais precoce? Existem grupos de risco? Como identificar e auxiliar alguém que precisa de ajuda?

Nesse encontro, o psiquiatra especialista em infância e adolescência Ricardo Krause responde a essas e outras questões, além de explorar modos de atuar em uma realidade com cada vez menos referências e com perspectivas de futuro que confundem e assustam.



PROCESSO CRIATIVO E MATERIALIZAÇÃO DE IDEIAS


O curso tem o objetivo de funcionar como uma oficina de criação de projetos, em que serão abordados os temas essenciais que compõem o processo criativo. O propósito é engajar cada participante na elaboração de um projeto concreto, conjugando-a com o debate acerca de aspectos centrais para a criatividade nas mais diversas áreas.

Serão discutidos o papel decisivo que a paixão exerce no desenvolvimento de obras de relevância, o delineamento do ritual de criação individual e a necessidade de pesquisa e mobilização de referências para a expansão do processo criativo; o investimento de energia na forma de trabalho intenso e para si; o descondicionamento mental e a suspensão do juízo crítico na experimentação criativa; o delírio controlado, a valorização do acaso e o desenvolvimento do estilo a partir do erro.

Os participantes serão colocados em movimento de trabalho criativo a partir da construção de si mesmos como obra de arte . Para aqueles que já têm consciência do seu processo, a oficina funciona como um potencializador. Para aqueles que ainda não a desenvolveram, os encontros servem como um despertar para a ação criadora.



EFEITOS DE UM MUNDO CONECTADO: TECNOLOGIA, CONTROLE E SUBJETIVIDADE


Em um mundo onde passamos cada vez mais tempo conectados, as tecnologias digitais vêm provocando mudanças inéditas na cultura, na economia, na política e na subjetividade. No uso cotidiano da internet, milhares de informações sobre indivíduos e populações são utilizadas para influenciar nossos comportamentos em diferentes direções: comprar produtos, consumir conteúdos, utilizar serviços, influenciar nosso voto, etc. Além disso, os dispositivos de comunicação modificam a forma como cada um se relaciona consigo e com os outros, produzindo novas demandas sociais e subjetivas. Discutiremos alguns dos elementos da arquitetura das plataformas e a lógica da economia digital para entender como novas formas de controle estão sendo criadas nesse contexto e quais as implicações em nossas subjetividades.



NAPOLEÃO BONAPARTE, O PRIMEIRO IMPERADOR DA FRANÇA


Napoleão I (1769 – 1821), também conhecido por Napoleão Bonaparte, desempenhou um papel central na história da França em três distintas situações, todas decisivas para o destino da Revolução Francesa: a guerra de defesa contra os inimigos estrangeiros da Revolução; a consolidação do poder revolucionário no comando do país, após uma década de conflitos internos; e a expansão do poderio francês por grande parte da Europa continental, contribuindo para disseminar os ideais de 1789. Trata-se, portanto, de um dos indivíduos mais influentes da história contemporânea.

Este curso tem o objetivo de apresentar um panorama de sua trajetória e fazer um balanço de sua influência. Em um primeiro momento, será abordado o seu percurso militar e político, começando por seu engajamento na defesa da França contra os invasores britânicos, prussianos e austríacos, passando por sua ascensão ao generalato, a chegada ao poder em 1799, a construção do Império e a expansão territorial até sua derrota. Num segundo momento, será ilustrada a sua herança para a França e para o mundo, dando conta das mudanças institucionais e políticas introduzidas ou consolidadas por ele e os efeitos da propaganda revolucionária no continente europeu – por um lado – e a visão de historiadores, sociólogos e cientistas políticos a respeito das circunstâncias que permitiram a um único homem reunir tamanho poder e influência num momento chave da história do ocidente – por outro.



ENERGIA E ARMAS NUCLEARES: AS FRONTEIRAS DA CIVILIZAÇÃO


Há quase 75 anos, o mundo tomou conhecimento do poder de destruição das armas nucleares e dos incríveis benefícios da energia nuclear. Desde então, os desafios internacionais se acumularam e o cenário mudou, mas a tecnologia nuclear nunca deixou de ser um tema prioritário – a ponto de ditar, até hoje, as condições de relativa estabilidade entre as grandes potências, bem como o cenário de constante tensão entre elas.

Neste encontro, discutiremos o dilema que nos dá motivo para desejar que a tecnologia nuclear seja incentivada ao mesmo tempo em que tememos seus efeitos.



OS GRANDES IMPÉRIOS DA HISTÓRIA


Em pleno século XXI, após o processo de descolonização e a drástica redução das monarquias, a noção da existência de impérios e de estruturas imperiais permanece presente nas sociedades e no sistema internacional. A proposta deste curso é uma análise dos impérios e de suas bases de poder ao longo da História. Serão abordadas questões como as principais estruturas que permitiram a constituição, a expansão e a manutenção do império e os elementos que fundamentam o poder imperial e sua hegemonia. Por extensão, o curso examinará as causas que levaram esses impérios à crise, à decadência, ao colapso, ao desaparecimento, à estagnação ou à recessão.