UMA CONVERSA SOBRE O DESCONHECIDO – ENTRE A CIÊNCIA E A RELIGIÃO

ENCONTRO REALIZADO VIA VIDEOCONFERÊNCIA


Gabriela Moreira, Marcelo Gleiser

22 de february - Friday - das 19h30 às 21h

CONCLUÍDO

A função da ciência não é atacar Deus, mas oferecer uma descrição do mundo mais completa”, afirmou o físico Marcelo Gleiser, numa tentativa de relativizar os constantes embates em que a ciência e a religião são colocadas em lados opostos do tabuleiro. O conflito entre as duas não é necessário, bastando apenas que saibamos distinguir o que uma ou outra pode e não pode fazer.

Em comum entre elas, o desejo de investigar o desconhecido e descobrir quem somos. Enquanto a ciência se propõe a responder a esses questionamentos de forma prática e objetiva, a religião recorre à existência imaterial das coisas e às representações simbólicas para explicar os mistérios e mazelas da existência humana.

Pensando o homem como ser tanto racional quanto espiritual, ficam as perguntas: qual a missão social da ciência e da religião e como conciliar a razão e a fé em nosso dia a dia?

Nesse encontro especial, a CASA DO SABER RIO recebe, via videoconferência, o físico Marcelo Gleiser para uma conversa sobre um tema que gera frequente curiosidade em nossa sociedade.

ÁREA DO ALUNO
Faça o download do material do curso

ministrado por


  • Gabriela Moreira

    Repórter de esporte do Grupo Globo. Coleciona passagens pelos jornais O Dia, O Globo, O Estado de S. Paulo e Extra; pelas rádios CBN e Rádio Globo e pelas emissoras de TV ESPN e TVE.

  • Marcelo Gleiser

    Físico teórico, professor, escritor e colunista do jornal Folha de S.Paulo e da National Public Radio (NPR). É membro da Academia Brasileira de Filosofia e da American Physical Society. Professor de física e astronomia na Dartmouth College nos Estados Unidos desde 1991. Recebeu o prêmio Presidential Faculty Fellows Award, da Casa Branca, por sua dedicação à pesquisa e ao ensino. É autor de best-sellers como A dança do universo (prêmio Jabuti de 1998), O fim da terra e do céu (prêmio Jabuti de 2002) e Criação imperfeita, traduzidos para diversos idiomas.